7 de agosto de 2020 14h02 - Atualizado em 7/08/2020 15h03

Visitação em cemitérios públicos de Manaus estará suspensa neste Dia dos Pais

Desde o último dia 11 de abril, a entrada está restrita a até cinco pessoas, ligadas a algum sepultamento acontecendo no dia

O acesso aos cemitérios públicos da capital do Amazonas no Dia dos Pais, comemorado no domingo (9), estará restrito ao atendimento de novos sepultamentos e às pessoas que acompanharão o cortejo fúnebre na data. A medida se dá em cumprimento ao Decreto 4.801, de 11 de abril de 2020, da Prefeitura de Manaus, que regula a movimentação nos cemitérios da cidade durante a pandemia do novo coronavírus, causador da Covid-19.

A Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) seguirá a mesma recomendação do Dia das Mães deste ano, para evitar aglomerações em meio à pandemia do novo coronavírus, seguindo os protocolos de distanciamento social e de saúde.

“Tradicionalmente, é uma das datas de maior movimentação de pessoas nos cemitérios de Manaus e como ainda estamos em meio à pandemia, mesmo com redução de casos, precisamos continuar evitando aglomerações, sem baixar a guarda, pois ainda não estamos livres do vírus”, afirma o secretário da Semulsp, Paulo Farias.

A determinação segue as diretrizes do decreto municipal, que regula a movimentação nos cemitérios, limitando a entrada de pessoas em sepultamentos e respeitando a recomendação de distanciamento social para evitar aglomerações, por conta do risco de contágio da Covid-19.

A medida vale para todos os cemitérios públicos gerenciados pela Prefeitura de Manaus. Desde o último dia 11 de abril, a entrada nesses locais está restrita a até cinco pessoas, estritamente ligadas a algum sepultamento acontecendo no dia.

O Dia dos Pais é a terceira data que mais leva pessoas aos cemitérios de Manaus, só perdendo para o movimento do Dia de Finados, em 2 de novembro, e Dia das Mães. Pela estimativa da Semulsp, mais de 40 mil pessoas visitaram os espaços no Dia dos Pais, no ano passado. Finados costuma movimentar mais de 500 mil pessoas.

Útimas notícias