30 de janeiro de 2020 09h13 - Atualizado em 30/01/2020 09h51

TJAM mantém prisão preventiva de 11 suspeitos de crime em Fonte Boa

Na ocasião, um homem foi linchando e esquertajeado após suspeita de ter estuprado uma criança na cidade
Juíza convocada Onilza Gerth. Foto: Raphael Alves
Juíza convocada Onilza Gerth. Foto: Raphael Alves

A juíza convocada para atuar como desembargadora, Onilza Abreu Gerth, indeferiu um pedido de liminar e negou habeas corpus impetrado pela Defensoria Pública do Estado, mantendo a prisão preventiva de 11 pessoas suspeitas de envolvimento no linchamento e esquartejamento de Ronald Gomes Borges. O crime ocorreu no último, dia 17 de janeiro, em Fonte Boa (distante 886 quilômetros de Manaus), após a vítima ter sido retirada à força das dependências de uma delegacia de polícia, onde se encontrava recolhida, suspeita de estuprar e matar uma criança.

Na decisão, a magistrada Onilza Abreu Gerth, que integra a Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas, confirmou a decretação da prisão preventiva pelo juízo da Comarca de Fonte Boa “diante da existência da prova da materialidade e dos indícios de autoria dos crimes constantes na denúncia, além de resguardar a ordem pública, tendo em vista a gravidade em concreto dos crimes”.

Na decretação das prisões preventivas, o juízo da Comarca de Fonte Boa salientou que os depoimentos das testemunhas, em especial dos policiais militares e guardas municipais colaboraram para afirmar o fato.

Útimas notícias