5 de dezembro de 2017 09h38 - Atualizado em 5/12/2017 09h40

PGR denuncia Geddel por lavagem de dinheiro e associação criminosa

Ex-ministro é apontado como dono dos R$ 51 milhões apreendidos pela PF
BRASILIA, DF,  BRASIL,  24-05-2016, 11h00: Coletiva de imprensa com os ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Eliseu Padilha (Casa Civil), Geddel Vieira Lima (Secretaria política) e Dyogo Oliveira (Interino do planejamento), para explicar as novas medidas econômicas do governo, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)
BRASILIA, DF, BRASIL, 24-05-2016, 11h00: Coletiva de imprensa com os ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Eliseu Padilha (Casa Civil), Geddel Vieira Lima (Secretaria política) e Dyogo Oliveira (Interino do planejamento), para explicar as novas medidas econômicas do governo, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou nesta segunda-feira (4) ao Supremo Tribunal Federal (STF) o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o irmão dele, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. A investigação está relacionada à apreensão, pela Polícia Federal (PF), dos R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador.

Também foram denunciados pelos mesmos crimes a mãe de Geddel, Marluce Vieira Lima, e um ex-assessor do deputado, Job Brandão.

Geddel foi preso no dia 8 de setembro, três dias depois que a PF encontrou o dinheiro no apartamento de um amigo do político. Os valores apreendidos foram depositados em conta judicial.

Segundo a Polícia Federal, parte do dinheiro seria resultante de um esquema de fraude na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal no período entre 2011 e 2013, quando Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica da instituição.

A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa de Geddel e dos demais denunciados.

Da Agência Brasil

Útimas notícias