22 de janeiro de 2018 09h57 - Atualizado em 22/01/2018 09h58

Papa pede a bispos peruanos que não tenham medo de denunciar abuso

O pontífice citou, em seus discursos, as proezas de santo Turíbio de Mongrovejo
ROME, ITALY - APRIL 18:  Pope Francis leads the Way of The Cross at the Colosseum on April 18, 2014 in Rome, Italy. The Way of the Cross is a centuries-old and much beloved devotion, that began as a sort of spiritual pilgrimage to the places and scenes and events of ChristÕs passion for those who could not make the pilgrimage to the Holy Land in person, as well as for those who had made it and wished to relive their experience, and for those who were preparing for the journey.  (Photo by Franco Origlia/Getty Images) ORG XMIT: 485297283
ROME, ITALY - APRIL 18: Pope Francis leads the Way of The Cross at the Colosseum on April 18, 2014 in Rome, Italy. The Way of the Cross is a centuries-old and much beloved devotion, that began as a sort of spiritual pilgrimage to the places and scenes and events of ChristÕs passion for those who could not make the pilgrimage to the Holy Land in person, as well as for those who had made it and wished to relive their experience, and for those who were preparing for the journey. (Photo by Franco Origlia/Getty Images) ORG XMIT: 485297283

No último dia de sua visita ao Peru, o papa Francisco pediu neste domingo (21) aos bispos peruanos que não tenham medo “de denunciar os abusos e os excessos”, assim como fez santo Turíbio de Mongrovejo. A informação é da Agência EFE.

O pontífice se reuniu com cerca de 60 bispos e citou como exemplo, em seus discursos, as proezas de santo Turíbio de Mongrovejo, arcebispo de Lima entre 1579 e 1606 e patrono do episcopado latino-americano.

Francisco disse que o santo foi um “construtor de unidade eclesiástica” e elaborou o seu discurso com base na vida de Turíbio, para dar exemplos aos sacerdotes.

Francisco explicou que Turíbio foi “o que hoje chamaríamos de um bispo andarilho. Um bispo com o costume de andar, de percorrer, de ir ao encontro de todos para anunciar o Evangelho, em todos os lugares”.

“Sem medo e sem asco, (Turíbio) entrou em nosso continente para anunciar a boa nova”, reiterou o pontífice aos bispos.

O papa também comentou que santo Turíbio estudou as línguas indígenas e destacou a importância “de se conhecer a linguagem dos outros, só assim para fazer o Evangelho ser entendido e entrar no coração”.

O pontífice acrescentou que Turíbio “pôde constatar em suas visitas os abusos e os excessos que sofriam as populações originais e não hesitou, em 1585, quando excomungou o corregedor de Cajatambo”.

Ao citar o exemplo de Turíbio, Francisco pediu aos bispos que não tenham medo “de denunciar os abusos e excessos cometidos contra o povo”, pois “não existe uma autêntica evangelização que não anuncie e denuncie toda falta contra a vida de nossos irmãos, especialmente os mais vulneráveis”.

Da Agência Brasil com informação da Agência EFE

Útimas notícias