28 de junho de 2018 08h48 - Atualizado em 28/06/2018 08h48

Embarcações com destino ao Festival de Parintins passam por fiscalizações

Polícias Civil e Militar fazem até o dia 6 de julho Operação Chapa Quente
8060434
8060434

Todas as embarcações que estão navegando pelos rios Negro e Solimões estão passando por fiscalizações de policiais civis e militares, como parte da Operação Chapa Quente. O foco do trabalho é a segurança dos passageiros com destino a Parintins (a 369 quilômetros de Manaus), onde neste fim de semana acontece a 53ª edição do Festival Folclórico dos bois Garantido e Caprichoso. A operação está sendo feita em conjunto com o 9º Distrito Naval da Marinha do Brasil e começou na última segunda-feira (25). A Operação vai até o dia 6 de julho.

Em uma balsa localizada no Rio Negro, próximo ao Encontro das Águas, servidores da Segurança Pública do Amazonas, do Juizado da Infância e Juventude, das Forças Armadas e de outros órgãos estão atuando de forma integrada para garantir a tranquilidade dos milhares de brincantes que vão à Ilha Tupinambarana. Todas as embarcações são obrigadas a parar no local para a vistoria.

Segundo a Marinha, a Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental (CFAOC) recebeu solicitação para a vistoria de 220 embarcações. Destas, 196 receberam o PASSE, documento que agiliza a fiscalização no momento em que a embarcação for abordada em um dos três postos fixos de fiscalização: um no Encontro das Águas dos Rios Negro e Solimões; e os outros dois nas Barreiras de Inspeção Naval em Itacoatiara e Parintins. 

“Cada órgão atua na sua área de competência. No caso da Polícia Civil, estamos checando, por exemplo, se as crianças e adolescentes estão acompanhados de responsáveis e com a documentação correta, estamos fiscalizando se está havendo transporte ilegal de veículos, drogas ou outros materiais ilícitos”, explicou o delegado adjunto da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Criança e o Adolescente (Depca), Irineu Brandão Junior.

Segundo o delegado, a fiscalização atua também para evitar superlotação das embarcações e evitar riscos desnecessários às pessoas que estão indo para Parintins e outras localidades.

O sargento da Polícia Militar, Jean Rocha, destacou que os próprios passageiros têm contribuído e reconhecido o trabalho da polícia. “As forças de segurança estão presentes nessa ação conjunta. No caso da PM, nosso objetivo é dar apoio aos demais órgãos”, afirmou.

Festival tem plano de inteligência inédito

No último dia 25 (segunda-feira), a SSP-AM apresentou a Operação Parintins 2018. Mais de 840 servidores, entre policiais militares, policiais civis e bombeiros estão envolvidos nas ações de segurança no município.

Neste ano, pela primeira vez as forças de segurança do Estado contam com um plano de inteligência integrado para as ações policiais durante o Festival Folclórico. Nesta quarta-feira (27/06), o secretário de Segurança Pública do Amazonas, coronel Anézio Paiva, entregou o plano e o Relatório de Avaliação de Risco para a cúpula da segurança pública no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na zona centro-sul de Manaus.

“A operação integrada das forças de segurança vem ocorrendo desde outubro do ano passado, por determinação do governador Amazonino Mendes. Para Parintins, a Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência fez a análise dos riscos e elaborou um plano de inteligência para subsidiar as operações. Com isso, toda a nossa tropa conta com uma ferramenta técnica de análise criminal e um mapeamento da Ilha Tupinambarana”, explicou Paiva.

De acordo com o secretário, as operações em Parintins já começaram há 20 dias, com um trabalho prévio da Polícia Civil (PC) e da Polícia Militar (PM), com atenção maior ao combate ao tráfico de drogas, roubos e furtos. “Além disso, nosso contingente que saiu de Manaus já está operando com escala de serviços, policiamento turístico, ciclopatrulhamento, enfim, toda a engrenagem do sistema de segurança”, disse.

Participaram da reunião com o secretário de Segurança, nesta quarta-feira, a secretária executiva da SSP-AM, delegada Juliana Tuma, o delegado geral da Polícia Civil, Mariolino Brito, o secretário executivo adjunto de Operações, tenente-coronel Klinger Paiva, o secretário de Inteligência, delegado Herbert Lopes, o secretário executivo adjunto de Planejamento e Gestão Integrada, coronel Fábio Pacheco, e o comandante geral da PM, coronel David Brandão.

A Polícia Militar realiza um trabalho ostensivo na Ilha, com patrulhamento a pé, de motocicleta, de bicicleta e do trânsito. A Polícia Civil do Amazonas encaminhou 68 policiais para atuar no reforço do atendimento. As equipes realizam operações e incursões pelos bairros, além de revista na unidade prisional.

O Corpo de Bombeiros enviou 120 homens para atuarem durante o festival em ações de salvamento em altura, serviço de prevenção urbana e o monitoramento durante as apresentações dos bumbás.

O CICC levou duas plataformas de observação para a região. Além disso, os servidores vão atuar na integração da operação com a montagem de uma base local no bumbódromo.

Da Assessoria

Útimas notícias

aniversario