18 de março de 2020 11h58 - Atualizado em 18/03/2020 11h58

Covid-19: COI vê aumentar resistência à realização dos Jogos

O COI continua comprometido a realizar os Jogos de Tóquio em Julho
2020-03-18t121743z_1_lynxmpeg2h19t_rtroptp_4_health-coronavirus-olympics

O Comitê Olímpico Internacional (COI) está enfrentando seu maior desafio em décadas, desde que comunicou aos comitês nacionais, nesta quarta-feira (18), sobre o estado da Olimpíada de Tóquio 2020 em meio à pandemia de coronavírus, à medida em que aumentam as vozes discordantes. O COI continua comprometido a realizar os Jogos de Tóquio entre 24 de julho e 9 de agosto.

O coronavírus já matou mais de 7,5 mil pessoas e infectou cerca de 200 mil no mundo todo e, atualmente, a Europa é seu epicentro. A entidade olímpica se recusou a cogitar publicamente um cancelamento ou adiamento como opções possíveis, apesar de outros grandes eventos – como os torneio de futebol Euro 2020 e Copa América e o Grand Slam de tênis de Roland Garros – terem anunciado adiamentos na terça-feira.

O vírus também está prejudicando os torneios de classificação para a Olimpíada, já que os atletas têm dificuldades para treinar, viajar e competir e muitas eliminatórias estão sendo canceladas ou adiadas.

Tóquio deve receber cerca de 11 mil atletas, e 53% já garantiram vaga nos jogos. Os demais obterão as suas através de classificatórias modificadas ou por desempenhos anteriores baseados no ranking.

Soluções apropriadas

Nas circunstâncias excepcionais da atualidade, disse o COI, é preciso encontrar soluções que sejam apropriadas, embora elas possam não ser ideais para os atletas.

“Esta é uma situação excepcional que exige soluções excepcionais”, disse o COI à agência Reuters em um comunicado emitido nesta quarta-feira.

“O COI está comprometido em encontrar uma solução com o menor impacto negativo para os atletas, ao mesmo tempo em que protege a integridade da competição e da saúde dos atletas”, disse.

“Nenhuma solução será ideal nesta situação, e é por isso que estamos contando com a responsabilidade e a solidariedade dos atletas”, acrescentou o COI.

O COI recebeu o apoio da Panam Sports, organização que representa 41 comitês olímpicos nacionais das Américas.

Hayley Wickenheiser, membro do COI, classificou a decisão de seguir em frente com o Jogos de “insensível e irresponsável”, o ataque mais explícito ao organismo olímpico desde que o presidente Thomas Bach tomou posse em 2013.

Útimas notícias